Arquivo | junho, 2012

A Música na Igreja Apostólica

27 jun

Ainda sobre o assunto “música na Igreja Apostólica”, tema do Boletim publicado na quinta-feira retrasada, dia 14 passado, penso ter descoberto o verdadeiro motivo que levou os cúmplices do bandido Aldo Bertoni a determinarem tais medidas em relação às novas músicas na igreja. Vejam, abaixo, a mensagem que recebi do Sr. Kleberson Calanca, o ex-regente da congregação apostólica de Lucélia – SP.

Para quem não se recorda, o Sr. Kleberson Calanca, além de ex-regente apostólico, também é o idealizador e co-fundador da OFIA, a Orquestra Filarmônica da Igreja Apostólica, ao lado do também ex-apostólico William Catulé (filho do ainda regente da Sede, Elias Catulé). Além disso, foi o primeiro arranjador profissional da igreja, que levou a música apostólica a sair do amadorismo absoluto em que se encontrava na época.

O Sr. Kleberson também foi um dos primeiros que criou coragem e deu seu depoimento ao site www.acordapovoapostolico.com logo em seu início, ainda em 2009. Foi ali que nos revelou que sua prima, Ilmara Bonato, ex-frequentadora da congregação de Panorama – SP e que posteriormente foi para a Sede, estava mantendo relacionamento amoroso com o Aldo Bertoni, e em troca estava sendo ajudada financeiramente pelo “santo profeta”. Aliás, se quiser rever o vídeo gravado por um detetive, mostrando o Aldo Bertoni saindo da casa de sua amante Ilmara Bonato, por três madrugadas do mês de junho de 2009, basta clicar no link abaixo:

Aldo Bertoni visitando sua amante Ilmara Bonato

O Santo Madrugador

Vejamos o que nos escreve o Sr. Kleberson, co-fundador da OFIA:

Acredito que este seja o momento de expor o que realmente acontece com a música e com os músicos da Igreja Apostolica apresentando um fato ocorrido comigo.
 
Não há dúvidas que a OFIA atualmente é um diferencial dentro da música apostólica e é quem mantém a maioria dos jovens na igreja e oferece as novidades musicais. Mas este ministério nem sempre teve esse glamour. Queria contar a historia de como eu ingressei nesse grupo, no seu início, até minha saída em 2007 e os problemas que tive que enfrentar depois.
 
Eu já vinha sofrendo alguma perseguição da igreja desde quando eu era regente do coral de Lucelia-SP em 2002 mais ou menos.  Motivo: o fato de eu estudar música num conservatório. Todo o coral era contra e viviam procurando meios para me tirar do cargo justamente  por isso. Inclusive no dia em que o cargo foi “tirado” de mim, o regente responsável, que veio de São Paulo, nem sequer falou comigo. Nem ouviu o que eu tinha a dizer. Enfim, não me abati com isso, apenas vi que a igreja apostólica não era tao justa quanto pregava ser. Como eu não tinha mais o compromisso com o coral resolvi investir em estudar orquestração e arranjo com um professor da Argentina, o Maestro Dr. Pablo Dell’Occa Sala e participei da classe de composição e arranjo do Festival de Inverno de Campos do Jordão entre outros. Estava me sentindo muito realizado e decidi investir este conhecimento nas músicas da igreja que eu achava pobres em questão de estilo e técnica de orquestração. O resultado todos puderam ver com a composição de “Dia Escolhido” (que por sinal vendeu muitos Cd’s e fitas). Devido a esse resultado positivo, o Willian Catule me fez o convite de ser compositor oficial da OFIA e investimos muito tempo e dedicação no projeto. Recebemos muitos “Nãos” na cara por parte dos regentes, principalmente do falecido José Pereira. Mas não nos desanimaram.
 
Em 2005 mudei para Campinas na esperança de poder estudar mais e aperfeiçoar o meu trabalho e, estando mais perto da Sede, pude ajudar o William com muito mais participação. Nesta época a OFIA cresceu bastante e os “sucessos” da época foram SEGUE-ME, OUVI O CONSOLADOR, entre outros. Porém, ainda com aquele sentimento de que a igreja não era justa e que algo errado havia por trás da imagem de Aldo Bertoni comecei a investigar toda a administração da Igreja. E para conseguir isso me aproximei de várias pessoas que tinham contato próximo ao “profeta” e não demorou muito para as verdades virem a tona da boca dos próprios diretores. Porem, ainda amando a música e com desejo de ver jovens tocando um instrumento musical, continuei fazendo trabalhos para a OFIA a pedido de seus regentes.
 
Em 2007 a situação ficou insustentável quando vi que minha prima estava envolvida com todo aquele escândalo mantendo uma relacionamento com o Bertoni. Muitos do grupo dos que sabem de toda a verdadeira historia da IA começaram a achar que eu também estava me beneficiando dos “agrados” financeiros que minha prima vinha recebendo. Por isso me desliguei completamente da instituição. Contei toda a historia para minha família que não acredita até hoje e me condena. A questão veio a público e eu fiquei visto como o rebelde, herege, etc. Todos os irmãos da igreja não me cumprimentavam mais, nem mesmo no velório de minha mãe em 2009. Lembro-me que a igreja em peso dava suas condolências aos meus irmãos e quando chegavam a mim viravam a cara.
 
Neste ano de 2009 eu iniciei meus estudos bíblicos e me batizei numa igreja evangélica. Igreja cuja fonte musical eu sempre gostei e respeitei desde os tempos do conservatório. Em 2010 passei no vestibular para o curso de música. Estou muito feliz por isso.
 
Quando pensei que estava totalmente livre da Igreja Apostolica, acontece o seguinte fato: eu estava em viagem de férias na casa dos meus irmãos e vejo que em CDs recentes haviam gravações dos arranjos meus. Fiquei indignado e enviei uma carta para os diretores da igreja dizendo que eu não havia autorizado a venda de gravações dos arranjos, mesmo porque, segundo a lei apostólica, quando um membro se afasta todos os seus trabalhos também são deixados de ser executados. E por quais razões os meus ainda estavam sendo executados??? E o pior, sendo gravados e comercializados?? O que dizer de uma igreja que quebra as próprias regras?
 
Eu poderia brigar pelo uso indevido de direitos autorais, mas decidi vender os arranjos para a igreja. Afinal eu não iria utiliza-los em outro lugar, então que ficasse de posse daqueles que poderiam usufrui-los melhor. Num primeiro contato com a Igreja, Efigênia disse que o Aldo Bertoni nem sabia que os arranjos eram meus (balela, pois fui o primeiro autor que passou a assinar todos os trabalhos), disse que quem decide ou aprova as composições são os regentes – outra mentira descoberta, pois todos estão enjoados de saber que a frase máster em questão de aprovação de hinos da IA é “O IRMÃO ALDO APROVOU”. Estão sentindo a falta de coerência?
 
Enfim, depois de muita falação, eu disse então que entraria com os recursos cabíveis na lei. Na outra semana HELIO VIANA em pessoa, o sobrinho do Aldo Bertoni que também é chefão da Igreja Apostólica, me ligou dizendo que estavam dispostos a comprar todos os arranjos. Imediatamente fizeram o pagamento da primeira parcela e tudo parecia estar resolvido.
 
No mês seguinte, não depositaram o dinheiro e eu entrei em contato. Mas dessa vez HELIO VIANA disse que eles não deviam nenhuma satisfação a minha pessoa e que eu ainda teria que devolver o dinheiro que eles haviam depositado. Outra vez ficou feio para a Igreja, pois havíamos feito um acordo aceito por ambas as partes. Ridículo!
 
Mais uma vez ficou provado que a Igreja Apostólica é uma instituição que está apenas preocupada em engordar os bolsos da família Bertoni e alguns agregados. Hoje eu ainda sou visto como o errado da história por todos os que antes me chamavam de amigo, e por minha família. Cheguei a ficar sabendo da absurda historia de que andam falando dentro da igreja que eu estava passando fome e que Aldo me deu 1600 reais de ajuda para mostrar que ele perdoa os rebeldes. Mentira! Esse dinheiro depositado na minha conta era uma parte da dívida de R$ 16.640,00 que a igreja tem comigo e não tem nem vergonha na cara de dizer que era ajuda! Eu ajudei a igreja a ter a musica que tem hoje, se não fosse pelo meu trabalho, ou pela minha ousadia em querer mudar os arranjos da igreja, acredito que ainda estariam tocando aqueles dobrados de fanfarra que os compositores antigos faziam. A orquestra não teria se desenvolvido o quanto desenvolveu e a igreja hoje estaria às moscas, pois tenho plena certeza de que se ainda existem alguns gatos pingados na igreja, é por causa do trabalho da orquestra e coral.
 
Para aqueles que pensam que eu estou passando fome, sinto dizer que atualmente estou no segundo ano do meu curso superior de música. Pela graça de Deus, sou bolsista integral e recebi o convite para trabalhar junto com Lineu Soares na área de produção musical dos corais Unasp e Novo Tom. Para quem não sabe, Lineu Soares é produtor  musical e já produziu os CD’s dos mais renomados artistas gospel brasileiros, entre eles Leonardo Gonçalves, Laura Morena e Riane Junqueira. Também estou trabalhando para a Orquestra Sinfônica Jovem de Mato Grosso, sob a regência do meu grande amigo Murilo Alves (ex-apostólico e ex-regente da congregação apostólica de Cuiabá – MT).

Kleberson Calanca

Abaixo, segue os links para alguns documentos que nos foram enviados:

Ouçam o áudio da Srta. Efigênia Joventino, secretária do Aldo Bertoni, dizendo que o “onisciente profeta” não sabe nem quem é que compõe as orquestras. Observações: o áudio tem 15mb, o que pode tornar lento alguns donwloads. Ouça a gravação no volume mais alto possível, pois a voz da cúmplice do Aldo Bertoni está bastante baixa em alguns trechos iniciais. Nesta gravação, a secretaria de Aldo Bertoni admite saber do envolvimento amoroso da prima do Sr. Kleberson com o “santo profeta”, além de afirmar que Aldo Bertoni não sabe quem compõe as músicas e orquestras se não for avisado por ela, admitindo que é mentira a pregação que afirma que Aldo Bertoni é onisciente, e que sabe de todas as coisas.

Àqueles irmãos apostólicos que ainda dedicam seu esforço e seu trabalho para o trabalho musical da Igreja Apostólica, só nos resta alertá-los para que fiquem espertos, pois o grande interesse do líder da igreja é explorar financeiramente o seu trabalho intelectual, assim como foi feito com o Sr. Kleberson. Conforme investigação ainda em andamento pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, a empresa A&D Comércio e Gravação de Fitas Ltda, pertencente ao Aldo Bertoni e sua esposa, Dulce Aparecida Bertoni, é uma das empresas utilizadas pela quadrilha do Aldo Bertoni para legalizar o desvio de parte do dinheiro da igreja para os bolsos da família. Toda a despesa dessa gravadora, responsável por mandar gravar e comercializar os CDs da igreja, é paga pela igreja, enquanto que toda a receita da empresa é somente da família Bertoni.

Que Deus abençoe a todos nós, e livre nossos irmãos apostólicos das ciladas diabólicas do Aldo Bertoni e seus cúmplices.

Boletim de 21/06/2012

25 jun

Recebi e-mail de uma pessoa que conheceu a história da Igreja Apostólica somente após o escândalo sobre o criminoso Aldo Bertoni sair na televisão, e desde então essa pessoa relata que tem acompanhado o caso através da internet. Em sua mensagem, esse cidadão me pergunta por que publicamos semanalmente esse boletim, por que damos tanta importância ao Boletim Interno Oficial da Igreja Apostólica. Gostaria de responder a essa pergunta aqui, publicamente, pois imagino que esta também seja a dúvida de muitos outros internautas que acompanham o desenrolar do caso Aldo Bertoni.

O Boletim Interno é na Igreja Apostólica (aliás, só é igreja no nome, pois na verdade é uma seita pseudo-cristã) o mesmo que a Bíblia representa em qualquer igreja de verdade. Ou seja, as “lindas” e falsas palavras contidas nesse documento são consideradas pelos membros da seita como a palavra do próprio Deus. Aldo Bertoni diz que recebe tais textos “diretamente dos céus” todas as semanas, e os transmite ao povo através deste Boletim. A justificativa que Aldo Bertoni dá para usar o Boletim no lugar da Bíblia, é que as Escrituras Sagradas seriam um apanhado de textos antigos, velhos, desatualizados, que não se aplicam mais nos dias de hoje, e por isso é preciso que o povo apostólico seja alimentado com “mensagens atuais”.

Todos os pregadores da seita são obrigados a ler e pregar somente o que está contido no Boletim. Quem não pregar o que está no Boletim e tentar pregar, por exemplo, sobre algum texto bíblico, pode ser suspenso e até tirado da escala de pregação. Dizem que é o próprio Aldo Bertoni quem manda escrever tal boletim, o que é uma grande mentira. Primeiramente, Aldo Bertoni é semi-analfabeto, e mal sabe assinar. Em segundo lugar, Aldo Bertoni não sabe nada sobre a Palavra de Deus, porque não tem interesse pelo assunto, o que esse homem mais entende é de dinheiro, mulher, carro importado e futebol, nessa ordem. Quem teve o desprazer de conhecer Aldo Bertoni de perto, sabe que falamos a verdade. Há semanas em que Aldo sequer é consultado sobre o que vai ser colocado naquele pedaço de papel, pois quem decide isso é a sua secretária, Efigênia Joventino e os escritores do Boletim. Sua assinatura está digitalizada há anos, e é colocada no documento eletronicamente.

Na verdade, quem escreve o tal Boletim é uma dupla de cúmplices do Aldo Bertoni, gente que é sustentada e tem a família sustentada pelo dinheiro que os apostólicos doam para a seita. Ou seja, se eles não fazem o serviço sujo, estão desempregados e sem ter até onde morar, pois até isso é o povo quem paga. Esses dois chamam-se João Stancey, um antigo pastor da seita, que tem quase toda a família empregada na Igreja Apostólica, e um homem, conhecido por sua opção homossexual, chamado José Roberto Rozani, que além de escrever o Boletim, também é responsável por maquiar os balanços financeiros da Igreja Apostólica, conforme investigação conduzida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo. “Robertinho”, como é conhecido, é o braço direito do sobrinho do Aldo Bertoni, o vice-diretor, contador e administrador da igreja, Hélio Viana da Rocha.

Enfim, meus caros amigos, é uma tremenda máfia trabalhando em prol da manipulação das mentes do povo apostólico, sempre no propósito de fazer esse povo obedecer cegamente ao falso santo, e manter a arrecadação de dinheiro entre os mais de 20 mil membros da seita, espalhados por 16 Estados brasileiros.

No Boletim desta semana, apenas mais do mesmo, que costumeiramente é repetido por absoluta falta de assunto. O Boletim é iniciado com o que mais interessa para a quadrilha, a arrecadação de dinheiro, e depois textos que sempre exaltam ao próprio Aldo Bertoni ou à tia dele, a falecida Rosa Alves, ali chamada de “santa vó” Rosa.

Geralmente os textos são fracos e contém os ensinamentos mais óbvios possível. Em igrejas de verdade, esses ensinamentos sequer são pregados, pois são atitudes que já fazem parte da cultura dos membros de tais igrejas, sendo desnecessário lembrar o povo de regras tão básicas de convivência. Neste boletim, por exemplo, encontramos um texto supostamente do Aldo Bertoni lembrando às mães da igreja para que cuidem bem dos seus filhos, como se estas fossem chocadeiras e não mães, e como se não amassem e não nutrissem qualquer sentimento de zêlo pelos seus filhos.

BOLETIM DE 21/06/2012

Em suma, meus caros amigos, é isso que o povo apostólico engole semanalmente, puro veneno, como se fosse alimento dos céus. Palavras lindas, de conforto e de amor, escritas com falsidade, com a pior das intenções por detrás do texto. Me envergonho de admitir que um dia também fiz parte disso, e por muito tempo distribuí esse veneno Brasil afora, mas o fiz porque também era um pobre tolo enganado pelo quadrilha do falso santo Aldo Bertoni.

Continuemos sempre em oração, para que nossos irmãos apostólicos também se libertem desta triste escravidão. Esperamos que nos próximos meses, com o desenrolar do julgamento do profeta satânico e abusador sexual Aldo Bertoni na justiça, muitos destes irmãos possam despertar e perceber que estão sendo feitos de tolos por gente espertalhona.

Fiquemos todos com Deus.

Boletim de 14/06/2012

19 jun

O boletim desta semana é um verdadeiro atestado de como a história da Igreja Apostólica é manipulada a bel prazer pelos cúmplices do criminoso Aldo Bertoni, denotando o esforço que evidenciam para manter a máquina de arrecadação de ofertas que beneficiam financeiramente a todos que participam do esquema, em especial a família Bertoni.

 

BOLETIM DE 14/06/2012

 

Os cúmplices do falso profeta responsáveis por escrever tais boletins, João Stancey e José Roberto Rozani, vulgo “Robertinho”, se aproveitam que a história da Igreja Apostólica não está registrada em lugar algum, seja em algum livro ou alguma outra publicação, e ela existe somente na memória de pessoas que viveram essa história. Acontece que boa parte dessas pessoas já morreram, outras já saíram da igreja e não querem mais nem ouvir falar desse passado de enganação, enquanto que muitos outros que ainda vivem e também viveram essa história, são cúmplices do esquema criminoso, como é o caso do próprio João Stancey.

Diante desse quadro, é fácil manipular e modificar a verdadeira história da Igreja Apostólica, e fazê-la ficar interessante para conseguir, mais uma vez, enganar o incauto povo apostólico.

Vejam que no texto intitulado “O Progresso da Igreja Apostólica”, tentam mais uma vez passar a falsa ilusão de que a Obra da Igreja Apostólica é próspera. Azar de quem acredita nesse golpe e dá seu dinheiro para tais bandidos.

Vejamos:

1. O texto é iniciado contando a situação da igreja há 42 anos atrás. Entretanto, omite que tudo o que foi construído de 1970 até 1984, foi feito pela direção do falecido Bispo Eurico Mattos Coutinho, e não por ele, o fanfarrão Aldo Bertoni. Vejam que depois da morte do fundador da igreja, pouco foi feito pela igreja. Aliás, das 400 congregações que existiam no final dos anos 80, hoje restam apenas pouco mais de 270 congregações. Perdemos a rádio de Aquidauana, que praticamente estava comprada pela igreja. Perdemos o sítio de Juquitiba, que hoje é propriedade da família Bertoni. Até na Sede, nesses 42 anos nada de novo foi construído. As únicas novidades são algumas poucas propriedades que foram adquiradas somente após denunciarmos Aldo Bertoni, e para mostrar algum trabalho, Aldo roubou um pouco menos e possibilitou a compra dessas propriedades.

 2. Omitem que as congregações só crescem quando os irmãos da localidade fazem esforço extra e param de enviar dinheiro para a Sede. Aldo Bertoni nunca mandou dinheiro para ninguém construir nada, pelo contrário, por diversas vezes mandou parar obras para que as ofertas pudessem ir para a Sede, pois seu verdadeiro interesse é que sobre muito dinheiro em seu bolso após pagar as despesas obrigatórias da igreja. Também omitem que a maior parte dos programas de rádio em cidades fora de São Paulo, são mantidas localmente pelos irmãos da região. Nada é pago pelo dinheiro controlado pelo sobrinho do Aldo Bertoni.

3. Aldo Bertoni também esconde do povo apostólico que detestava o Bispo Eurico, homem íntegro e honesto, que só caiu nessa cilada diabólica justamente por ter dado ouvido para as heresias da tia do Aldo Bertoni, e se afastou do Evangelho de Jesus Cristo, possibitando que o diabo tomasse conta da igreja. São muitas as testemunhas ainda vivas que ouviram Aldo Bertoni bradando palavras horríveis contra o fundador da igreja, e várias delas nos contam o que Aldo dizia em alto e bom tom na lanchonete que na época era gerenciada pelo seu falecido irmão, onde hoje é a lanchonete da família Bertoni chamada “Canarinho”. Em uma dessas conversas, testemunhada por antigos ex-apostólicos (e justamente por isso deixaram a igreja, por não concordar com as atitudes do novo “primaz”), Aldo Bertoni dizia sobre o Eurico: “POR QUE ESSE VELHO NÃO MORRE LOGO?”. Não é à toa que o Bispo Eurico Mattos Coutinho, foi praticamente declarado um “rebelde” após a sua morte em 1984, quando não podia mais se defender, conforme podemos ler no livro “Nossa História, Nossas Vitórias” (um daqueles que foram destruídos por Aldo Bertoni para que o povo não soubesse desse passado), de autoria da própria esposa do Bispo, que mais tarde também viria a ser tratada como “rebelde” em seu leito de morte.

4. Os escritores do boletim também se esquecem de contar para a igreja que o responsável pela construção do templo em 11 meses foi o competente ex-pastor Alexandre Demberi, aquele que era amigo pessoal do Bispo Eurico, e que mais tarde foi expulso da igreja pelo próprio Aldo Bertoni, por denunciar sua roubalheira já no início dos anos 80.

5. Vejam também, meus caros irmãos, que Aldo Bertoni é muito ruim de matemática. Outras igrejas, muitos mais novas que a apostólica, e que pregam somente a Palavra de Deus, são muito maiores e mais desenvolvidas. Em 42 anos à frente da Igreja Apostólica, Aldo Bertoni conseguiu torná-la insignificante, pois já na década de 70, a Igreja Apostólica era bastante conhecida no meio religioso, e hoje é apenas uma sombra do que foi no passado. Duvida? Basta contar quantas pessoas na sua própria rua conhecem a “Igreja Apostólica”, e verá que a maioria, quando não todos, dirão que nunca ouviram falar. Aliás, desde setembro último, o número de brasileiros e estrangeiros que conheceram a Igreja Apostólica cresceu substancialmente, mas quando confrontadas com tal pergunta, respondem com outra pergunta: “Aquela do profeta tarado”?

Por fim, meus caros irmãos, este mesmo boletim contém um outro texto intitulado “Orientação sobre os Hinos da Igreja Apostólica”. Não se enganem, meus caros, a verdadeira motivação dessa burocracia toda que estão criando é uma só: muitos compositores de hinos da igreja estão percebendo que seus trabalhos estão sendo explorados financeiramente pela família Bertoni. Não é preciso ser muito inteligente para descobrir que os CDs da igreja são produzidos e comercializados pela gravadora da mulher do Aldo Bertoni, a A&D Comércio e Gravação de Fitas Ltda (para quem não sabe, A&D significa Aldo e Dulce). O lucro da venda desses CDs e fitas são todos da família, que sequer nunca foi apostólica.

Muitos compositores, cientes dessa situação, estão pleiteando até judicialmente os direitos autorais dos hinos, já que eles não estão em posse da igreja e sim da mulher do Aldo Bertoni, e com eles são auferidos altos lucros para a família Bertoni.

Portanto, coitado de quem se sacrificar para criar um hino e depois ter esse hino financeiramente explorado por pessoas que nunca foram apostólicas.

Que Deus ajude esses nossos pobres irmãos apostólicos a deixarem de ser manipulados pela quadrilha criminosa do Aldo Bertoni.

Fiquemos todos com Deus.

Bons Motivos Para Silenciar

14 jun

Caros irmãos e amigos, apesar da estratégica necessidade de mantermo-nos em silêncio, ao menos pela internet, até o fim do julgamento do bandido Aldo Bertoni, que já está acontecendo desde o dia 27 de fevereiro deste ano, faz-se necessário prestarmos alguns esclarecimentos.

Temos ouvido todo tipo de histórias sendo contadas entre o povo apostólico, das mais absurdas possíveis, e uma em particular tem nos incomodado sobremaneira. Estão inventando até que “o Martinho se arrependeu e pediu perdão ao irmão Aldo”.

Meus caros, eu deveria me arrepender exatamente do quê? De dizer a verdade sobre um malandro que nos enganou e nos explorou, financeiramente e psicológicamente, por décadas de nossas vidas? Essa é a invenção mais absurda que temos ouvido, entre outros disparates, e por isso gostaria de explicar algo que muitos já sabem, por experiência própria de vida: quem bebe da água limpa, jamais sente vontade de voltar a tomar da água suja que bebia anteriormente. Concretamente, falo sobre aqueles que têm a oportunidade de verdadeiramente conhecer a Cristo. Estes, meus caros irmãos, podem ter certeza de que NUNCA voltam para a idolatria, para a heresia, jamais voltariam a se sentar na roda dos escarnecedores, dos mentirosos, dos ímpios, dos idólatras, dos hereges. Nós nos enquadramos nesta situação, meus caros, e podem ter certeza de que NADA neste mundo nos faria nos rendermos ao farto dinheiro, dinheiro sujo, roubado de pessoas pobres, inocentes e incautas, que Aldo Bertoni oferece àqueles que aceitam lhe defender, mesmo sabendo quem é aquele homem fora das paredes da Igreja Apostólica.

Desde que retornamos de um merecido descanso, no início de abril, e após consultar nossos advogados, que têm feito todo o acompanhamento jurídico do caso Aldo Bertoni, decidimos falar o mínimo possível, por apenas um motivo: NÃO TEMOS O MENOR INTERESSE EM AJUDAR OS DEFENSORES DO ALDO BERTONI. Temos todo o interesse que esse julgamento seja concluído o mais rápido possível, antes que Aldo Bertoni venha a falecer, devido à sua avançada idade e estado de saúde, e não receba o merecido corretivo da justiça, da qual faz jus.

Meus caros irmãos, pasmem, mas em todas as audiências ocorridas até agora, os advogados do pilantra Aldo Bertoni estavam de posse de textos que publicamos aqui na internet. Tentam, de todas as formas, tentar convencer a justiça de que somos um grupo unido para “derrubar” o dirigente da Igreja Apostólica. E vemos como natural eles tentarem fazer isso, pois é o único argumento que possuem para tentar livrar a cara do “santo profeta” criminoso. Os advogados são muito bem pagos para isso, e obviamente devem procurar fazer seu papel da melhor forma possível.

Porém, gostaria imensamente que esses mesmos advogados também explicassem à justiça como é que mulheres que nunca tiveram qualquer vínculo trabalhista ou de dependência financeira com o Aldo Bertoni, também o acusam de tê-las abusado sexualmente. Como é que outras mulheres, que do nada, repentinamente, passaram a ostentar riqueza material, admitem manter relacionamentos amorosos com o homem que se intitula “o maior profeta de todos os tempos”, “aquele que vai aos céus falar com Deus”, e também gostaríamos que os digníssimos advogados do Aldo Bertoni explicassem à justiça, apresentando documentos, como é que um simples ex-taxista repentinamente tornou-se milionário após assumir a direção da Igreja Apostólica.

Portanto, meus caros irmãos, publicamos este esclarecimento em respeito às centenas de pessoas que têm nos escrito nestes três meses de silêncio, e pedimos paciência, pois todo o conteúdo dos títulos já publicados estão escritos e serão liberados assim que sair a sentença do criminoso Aldo Bertoni. Também estamos recebendo todos os comentários normalmente, e eles serão todos liberados assim que possível. Atualmente, temos quase 900 comentários aguardando liberação, desde o dia da primeira audiência,  em 27 de fevereiro passado, e serão liberados gradativamente, após a sentença.

Como nos aproximamos da última audiência, em 03 de julho próximo, alguns textos com abordagens mais “leves” estarão sendo liberados, pedimos que acompanhem. Neste próximo final de semana publicaremos uma análise do boletim desta semana, publicado hoje, dia 14 de junho, expondo como não há limites para a mentira e a enganação por parte dos cúmplices do criminoso Aldo Bertoni, com o único objetivo de continuar a amealhar as finanças de milhares de brasileiros que ainda acreditam na máfia que domina a Igreja Apostólica.

Fiquemos todos com Deus, sempre confiantes na justiça de Deus, primeiramente, e na dos homens, que certamente cumprirá seu papel nos próximos dois meses.

Boletim de 07/06/2012

12 jun

EM PROCESSO DE LIBERAÇÃO

AGUARDE