Arquivo | dezembro, 2018

Seguindo os Passos de Aldo Bertoni

13 dez

Se você acompanhou algum noticiário hoje, deve ter se deparado com a reportagem acima. No post anterior, quando dissemos que a história dos abusos sexuais cometidos pelo falecido Aldo Bertoni estava se repetindo, mas agora protagonizada por um outro falso profeta, não era força de expressão.

Até o desenrolar dos fatos está idêntico. Os dois abusaram de mulheres fiéis, que acreditavam em seus supostos dons sagrados, por anos a fio. Os dois diziam a elas coisas parecidas: “não conte nada para ninguém”, “se você contar ninguém vai acreditar em você, todos vão acreditar em mim”, “isso que estou fazendo é para curar você, você não pode duvidar”. Nos dois casos, as mulheres se calaram por anos, com medo da represália que poderiam sofrer, inclusive de seus próprios familiares, mas principalmente a represália vinda dos fanáticos seguidores dos falsos profetas.

Nos dois casos, eles se dizem (ou diziam, no caso do falecido Aldo Bertoni) inocentes. Para “provar” que são inocentes, até voltam a circular entre seus fanáticos fiéis, mas correm de medo da imprensa. Nos dois casos, o Ministério Público só foi pedir prisão dos acusados depois que a denúncia saiu na imprensa.

 

Vejam se as duas reportagens, a de 14/09/2011 sobre Aldo Bertoni e essas agora sobre João de Deus, não são parecidas. Parece que só trocaram o nome do acusado, o enredo é o mesmo!

* * *

O que aconteceu com Aldo Bertoni você já sabe. Logo depois de denunciado, o Ministério Público pediu sua prisão e a justiça a concedeu. Mas aí seus advogados, alegando que o indiciado era idoso, pediu a substituição da prisão por medidas cautelares, o que foi concedido no caso do ídolo da Igreja Apostólica. Em novembro de 2011, Aldo Bertoni teve a prisão preventiva substituída pelo pagamento de uma fiança de R$ 109.000,00 (tudo bancado pelas ofertas doadas para a Igreja Apostólica), proibição de sair da cidade de São Paulo, obrigação de se apresentar no fórum mensalmente e retenção do passaporte.

Em 2012 iniciou-se o julgamento de Aldo Bertoni, que passou a apresentar atestados médicos para faltar às audiências, o que atrasou severamente o julgamento, já que cada vez que uma audiência era cancelada pela ausência do réu, uma nova audiência era marcada para meses depois. Em 2013, houveram três tentativas de audiências, e nas três Aldo Bertoni faltou, só compareceram seus advogados portando atestados médicos que afirmavam que ele não conseguia nem falar, quanto mais andar. Até que Aldo morreu em maio de 2014 sem ter o julgamento concluído. E boa parte de seus fanáticos fiéis, continuam repetindo, como papagaios de pirata, que Aldo era inocente, e que as vítimas é que não prestam.

Querem apostar quanto que o enredo da história de João de Deus será idêntico?

Fiquemos todos com Deus.

Anúncios

João de Deus e Aldo Bertoni: A História Se Repete

9 dez

E o caso volta a acontecer: mulheres fiéis são abusadas sexualmente pelo “santo líder”, inquestionável, irrepreensível, o que as faz se calarem por anos, diante das ameaças de serem desacreditadas, diante da vergonha em denunciar. Relembre aqui o caso Aldo Bertoni e veja como é idêntico ao caso João de Deus.

* * *

Esta semana novamente o Brasil se estarreceu com mais um caso de líder religioso acusado de abusar sexualmente de várias de suas fiéis. Trata-se do médium espírita João Teixeira de Faria, conhecido nacionalmente e internacionalmente como “João de Deus”, cujo templo sede fica na cidade de Abadiânia, Estado de Goiás.

Se você é ou já foi apostólico, ou conhece o caso Aldo Bertoni, temos certeza de que foi inevitável a comparação entre os dois casos, pela enorme semelhança do que aconteceu. Claro que o caso de João de Deus terá muito mais repercussão, pois a quantidade de pessoas que dizem professar a fé espírita é incomparavelmente maior que a quantidade de pessoas que seguem a Igreja Apostólica, mas trata-se de uma oportunidade ímpar de relembrar uma história que até hoje a Igreja Apostólica não admite e esconde de seus membros, apesar dos atuais líderes saberem das minúcias do caso e vários deles terem certeza de que tudo realmente aconteceu.

Vejam como os casos se parecem:

  • João de Deus até essa semana era um líder espiritual inquestionável. Atribui-se a ele muitas curas e isso fazia com que pessoas, desesperadas em suas causas pessoais, o procurassem para obter algum alívio ou mesmo a cura. Assim como Aldo Bertoni, fazia isso há mais de 40 anos.
  • Vejam na reportagem do Fantástico abaixo o impressionante relato de algumas mulheres sobre como foram abusadas por João de Deus. Depois vejam a reportagem do Repórter Espetacular, de 7 anos atrás, sobre Aldo Bertoni, e vejam como a dinâmica dos abusos se repetem. Tanto Aldo Bertoni como João de Deus davam as mesmas instruções às suas vítimas: “você não pode contar nada do que acontece aqui para ninguém”, “preciso fazer isso para você ser curada”.
  • Até agora, há relatos de mulheres que foram abusadas desde os anos 90. Assim como no caso de Aldo Bertoni, elas se calaram por medo de ninguém acreditar nelas, diante do poder do líder religioso sobre seus seguidores.
  • Exatamente como aconteceu na Igreja Apostólica, muitos fiéis de João de Deus simplesmente dizem que as vítimas são mentirosas, estão inventados fatos para incriminar o “santo líder”.
  • Da mesma forma como aconteceu no caso Aldo Bertoni, não há provas concretas para incriminar o réu, haja vista o tempo passado desde a ocorrência dos fatos e a dificuldade de se provar tais crimes. Tanto João de Deus quanto Aldo Bertoni, sabiam e se aproveitaram disso.
  • Quando a primeira vítima do abusador Aldo Bertoni resolveu denunciá-lo e isso se tornou público, várias outras vítimas logo surgiram e também denunciaram, ao perceber que o caso não tinha ocorrido somente com elas. Oficialmente, 15 mulheres denunciaram Aldo Bertoni no Ministério Público do Estado de São Paulo, mas sabemos de dezenas de outros casos de mulheres que sentem vergonha em fazer isso, ou temem a represália de familiares apostólicos.

 

Vejamos a reportagem do Fantástico sobre João de Deus:

 

 

Agora relembremos a reportagem sobre Aldo Bertoni, e constate como os casos se parecem:

 

 

Até quando isso ocorrerá em nosso país? A Bíblia responde: “Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta seu coração do SENHOR!” (Jeremias 17:)

Fiquemos todos com Deus, sempre em oração para que assim como desejamos que nossos irmãos apostólicos sejam libertos da idolatria e da mentira, os irmãos espíritas também possam ter um encontro pessoal com Jesus Cristo, o único que pode lhes trazer verdadeiro alívio, cura para suas feridas e salvação para suas almas.